Órgano Oficial de Comunicación de FLADA

Gestão de risco na indústria do aerossol

0

Nos últimos anos, ocorreram graves acidentes em diversas empresas fabricantes de aerossol e em diferentes partes do mundo. Nesta edição de Aerossol A Revista, publicamos o tema “ Gestão de Riscos na Indústria do Aerossol” apresentado pelo Engenheiro Juan Nolasco, em 9 de novembro de 2017, no Seminário Técnico do IMAAC.

1. Introdução.

2. Objetivo.

3. Desenvolvimento.

3.1 Definição de Risco e acidentes graves.

3.2 Acidentes ocorridos recentemente.

3.3 Requisitos regulamentares aplicáveis.

3.4 Estratégias do IMAAC para evitar acidentes.

4. Programa de Segurança do IMAAC.

4.1 Elementos do programa de segurança.

4.2 Resultados das auditorias de segurança.

4.3 Objetivos do Programa de Segurança do IMAAC.

4.4 Novo programa de segurança.

5. Recomendações FLADA

6. Estratégias do IMAAC 2018-2019

7. Conclusões

 

1. INTRODUÇÃO

A Direção da empresa tem a autoridade para estabelecer as políticas e estratégias a seguir para gerenciar seus riscos. A competitividade de uma empresa depende principalmente de suas pessoas competentes e comprometidas. Além disso, também é necessária a aplicação correta dos recursos, monitoramento e manutenção. Somente desta forma pode ser alcançada a lucratividade e a continuidade do negócio.

Os riscos em uma empresa podem ser muito diferentes, vamos nos enfocar nos riscos associados a fabricação de aerossóis inflamáveis. Em um ambiente inflamável ou com materiais combustíveis, a execução de um ato inseguro ou a presença de uma condição insegura, podem causar um grande incêndio ou explosão na fábrica de aerossóis.

Quando se conta com a informação e capacitação adequada, o pessoal da empresa se transforma no aliado mais confiável   para manter sob controle os riscos e evitar acidentes.

 

2. OBJETIVO

O objetivo geral da apresentação é evitar acidentes graves na indústria do aerossol e se divide em três partes:

I. Apresentar e comentar alguns dos acidentes graves, que ocorreram na indústria mundial do aerossol.

II. Revisar os requisitos aplicáveis e as ferramentas disponíveis para evitar acidentes.

III. Comunicar as estratégias que o IMAAC promoverá para evitar acidentes e danos sobre a indústria nacional de aerossóis.

 

3. ESENVOLVIMENTO

3.1 Definição de Risco e de acidentes graves, conforme a Norma Oficial Mexicana NOM-028-STPS-2012:

Acidente grave: O evento indesejável que envolve os processos e equipamentos críticos com substâncias químicas perigosas, que provoca uma liberação incontrolável das mesmas ou de energia e que pode causar lesões, mortes e danos no local de trabalho, a população vizinha ou ao ambiente.

Riscos: A probabilidade de que o manuseio de uma ou várias substâncias químicas perigosas provoquem a ocorrência de um acidente grave e,consequentemente, as consequências disso.

 

3.2 Acidentes recentes na indústria do aerossol.

Acidentes graves em 2017

Exal Packaging, S.A na Argentina (outubro 25)

Specialised Chemicals Ltd. no Reino Unido (agosto 25)

Drivelines and Sprayflow na África do Sul (maio 22)

KP Quality Products na Malásia (março)

Sanit & Sons Co., Ltd. na Tailândia (fevereiro)

Acidentes graves em 2016

Ima Spray Ltd. no Brasil (novembro 28)

Airosol Inc. nos Estados Unidos (novembro 22)

LMA, Developing Global Aerosols no Reino Unido

(junho 30)

O acidente mais trágico ocorreu em 2015

PT Mandon Indonesia Tbk em Bekasi, Indonésia

(julho 10)

Será que, para economizar dinheiro, algumas empresas economizam na engenharia de desenho, na qualidade das suas instalações ou produtos, ou na capacitação do seu pessoal? Ou que, para reduzir tempos e custos não realizam provas críticas como o controle do engaste da válvula do aerossol ou a prova da água quente?

Outros depositam sua confiança total nos seguros e que são muito bons para recuperar as perdas materiais, mas nunca poderão recuperar as perdas humanas, ou a reputação, fechamento definitivo ou a perda da empresa. Não devemos esperar até que aconteça, podemos aprender desses lamentáveis acontecimentos, porque depois de um acidente grave, nada volta a ser igual.

 

3.3 Requisitos regulamentares aplicáveis

Gestão de riscos empresariais para evitar acidentes graves com substâncias

químicas perigosas(SQP)

 

Este cubo mostra os fatores a serem considerados no gerenciamento de riscos, como é o ambiente ou o contexto tanto interno como externo da organização, quais são os objetivos da organização, os riscos associados, a avaliação das suas consequências, que respostas podemos dar, as atividades de controle, de comunicação e supervisão.

A regulamentação internacional aplicável para a gestão de segurança nas fábricas que lidam com substâncias químicas perigosas (ver tabela comparativa), todas coincidem em implantar e manter uma política para prevenção de acidentes graves, um plano de resposta a emergências, auditorias de segurança, capacitação do pessoal e para empreiteiros. No México a norma aplica a partir de 4.54 toneladas (a partir de dois tanques de 5000 litros de propulsor hidrocarboneto). Na Europa é a partir de 10 toneladas e na Argentina de 50 toneladas.

Tabela comparativa: gestão de segurança  para substâncias químicas perigosas

 

 

 

 

4. ELEMENTOS DO PROGRAMA DE SEGURANÇA DO IMAAC

O Instituto Mexicano de Aerossol (IMAAC), desde 2006 promoveu o programa de segurança que nasceu graças a iniciativa de Geno Nardini, a visão de Juan Nolasco e durante a presidência de Miguel Durán. Cabe mencionar que a aplicação do programa não é possível sem a ajuda e compromisso de todos os fornecedores e dos fabricantes de aerossol.

4.1 Elementos do programa de segurança.

Criação de um comitê técnico.

Manual de segurança.

Auditorias de segurança.

Reconhecimento das empresas.

4.2 Resultado das auditorias de segurança

Estes são os resultados das auditorias que foram realizadas nas empresas que entraram no programa, as marcas com a cor azul, foram as que tiveram o reconhecimento como empresas seguras. As empresas marcadas em vermelho, receberam a capacitação e assessoria necessária para melhorar suas condições de segurança e a melhora contínua.

 

 

 

 

 

“A gestão de risco é responsabilidade da alta direção da empresa”

Identificar os riscos e definir as ações para evitá-lo, minimizá-lo e aceitá-lo.

 

4.3. Objetivos do Programa de Segurança do IMAAC:

Promover o desenvolvimento saudável da indústria

do aerossol.

Proporcionar ao empresário as estratégias e os conhecimentos básicos para evitar acidentes graves.

Oferecer confiança ao usuário e a sociedade, mediante produtos e processos seguros e amigáveis com o ambiente.

4.4 Novo programa de segurança

Atualmente o IMAAC está aplicando nas empresas o novo programa de segurança, que conta com:

Manual de Segurança Edição 2014

Comitê Técnico, que pode dar para as empresas filiadas ao IMAAC capacitação em suas instalações e sem custo nenhum.

Listagem de auto avaliação das condições de segurança:

Resumo dos resultados

 

 

Reconhecimento como “Empresa Segura”.

Em função da quantidade de líquidos e gases inflamáveis se estabelecem os critérios para qualificar e ser reconhecida como empresa segura (uma instalação com menos de 1000 litros são solicitados menos requisitos, comparada com uma fábrica grande).

Critérios para classificação de empresa segura

 

 

5. RECOMENDAÇÕES FLADA

A Federação Latinoamericana do Aerossol (FLADA), consciente da importância de cuidar e desenvolver a imagem do sistema aerossol, no ano de 2014 e por iniciativa do Dr. Ángel Rasgido se formou o Comitê Técnico do FLADA com o objetivo de estabelecer recomendações técnicas aplicáveis.

Glossário de termos.

Boas Práticas de Fabricação e Controle para os Aerossóis.

Armazenamento e manuseio de aerossóis inflamáveis.

Segurança no gaseificado.

Válvulas de aerossol.

Embalagem de alumínio ou de hoja de lata.

Prova da água quente.

Rotulagem dos aerossóis.

Classificação de acordo com as Nações Unidas.

Disposição segura dos aerossóis rejeitados.

Determinação do volume máximo, não transbordar o tanque.

O conteúdo líquido, na câmara de expansão.

Qualidade do propulsor.

 

 

6. ESTRATÉGIAS DO IMAAC 2018-2019

a) Reativar o Programa de Segurança do IMAAC, através dos Seminários Técnicos e capacitações nas empresas que solicitarem.

b) Implementar capacitações estrangeiras, quer dizer, representantes do IMAAC irão se transladar para as empresas que tenham mais de 15 empregados

c) Estabelecer outras sedes de capacitação para ministrar Seminários Técnicos, além dos que se ministram na Cidade do México, como em Guadalajara, Monterrey, Estado do México (Toluca, Ecatepec, Naucalpan, etc.).

d) Reativar o Programa de Auditorias de Segurança para as empresas que solicitem, através de uma equipe mista de auditores do IMAAC e/ou de auditores do seu fornecedor de propulsor.

e) Convidar todos os membros e não membros do IMAAC para que se integrem ao Programa de Segurança.

f) Difundir as Recomendações Técnicas do FLADA aprovadas.

 

 

7 CONCLUSÕES:

A indústria nacional do aerossol, conta com toda a experiência e ferramentas necessárias para uma gestão correta dos riscos em suas instalações.

É urgente o compromisso da alta Direção das empresas para implantar, ou dar seguimento, ao Programa de Segurança do IMAAC e as Recomendações Técnicas do FLADA.

Os acidentes podem ser evitados, não devemos permitir que ocorram e danifiquem a imagem e indústria do aerossol.

Comentarios
Loading...